A espiritualidade missionária

Neste primeiro dia de trabalhos Pe. Sérgio Bradanini, missionário do PIME, apresentou os “Elementos Bíblicos da Espiritualidade Missionária”. A missão tem uma direção: de dentro para fora, isto é, a Missão é “ad omnes gentes”. Para isto, dissertou Pe. Sérgio que é fundamental ter presente o modelo da relação de Jesus para com os seus discípulos, que envolve a totalidade da vida, feita nas relações humanas.

É uma espiritualidade que exige a concentração de todas as forças com Deus que “tudo canta e explode de alegria” (Salmo 65). Esta experiência espiritual realiza-se na comunidade onde a pessoa deve estar inserida e envolvida numa longa caminhada que se traduz no engajamento crescente com Jesus e o Seu Reino.

A espiritualidade missionária cresce na relação do Mestre com o Discípulo, não fundamentada nos ensinamentos, mas na experiência do relacionamento humano, contínuo e crescente que geram a fraternidade, a vida comunitária num “sentar-se comum à mesa do Reino”. Eis o compromisso da missão: viver deste espírito, relatar a experiência da fraternidade, abastecida pela palavra de Deus a fim de alcançar até as extremidades da terra, um mundo sem fronteiras. Reformular nossa missão, dilatar a experiência da fraternidade, derrubando barreiras onde houver.

Em segundo lugar, os Profetas atuam quando a experiência espiritual se torna vazia, eles levantam a voz para manter viva a chama da fraternidade e da justiça. Manter viva “a consciência critica, pois nunca morreram velhos, mas de morte violenta. Pela palavra vivem e pela palavra morrem” – afirmou Pe. Sérgio.

O terceiro aspecto foi uma olhada sobre os livros da Sabedoria, de Jó e do Cântico dos Cânticos, na qual a Bíblia não é patrimônio de Israel, mas da humanidade. JESUS, na centralidade da espiritualidade missionária, é a Luz que se abre ao futuro. Faz o anúncio da chegada do Reino de Deus. Esta é a Boa Notícia. Convida à “Conversão” mudando de visão e de mentalidade. Faz o chamado e escolhe os seus discípulos, para conviver com ele; pra serem enviados a pregar, comer o pão juntos; deu-lhes autoridade para expulsar os demônios, contra o mal. Onde se constitui uma comunidade que vive a fraternidade, o mal não tem vez. Enviou-os em Missão para cuidar dos doentes (Mc 10,8), ressuscitar os mortos, isto é, lá onde se constitui relações humanas fraternas, o mal não tem vez. Em fim, Jesus é homem de fé e de oração e mostra que a missão se realiza no “hoje”, pois sua vida doada a todos a partir dos mais necessitados para forma a fraternidade.

Para finalizar Pe. Sérgio nos apresentou o apóstolo Paulo que vive segundo o espírito de Jesus Cristo. Ele tem consciência de ser colaborador de Deus e não para dividir. Tem em sua mente o mundo dos gentios e carrega a consciência clara de sua pequenez: “Quando sou fraco é que sou forte!”. Para isto trabalhava com suas mãos, tecedor de tendas, depois anuncia. João, o Evangelista, destacou sua missão muito polêmica contra o ambiente judaico, anunciando que Jesus salva. Mostra o divino no humano. É o verbo que salva na fragilidade. Ele se fez gente como nós, menos no pecado, para que nós nos tornemos mais divinos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: